Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

amarporinteiro

Aqui verto todos os sentimentos que sinto por uma mulher única e verdadeira nos seus atos. Esta história pode não ter começado num "era uma vez", mas vai acabar num "foram felizes para sempre"

Aqui verto todos os sentimentos que sinto por uma mulher única e verdadeira nos seus atos. Esta história pode não ter começado num "era uma vez", mas vai acabar num "foram felizes para sempre"

amarporinteiro

05
Fev18

AMAR...

amarporinteiro

“Amor. Palavra estranha. Pode parecer esquisita, tantas vezes é usada, seja na linguagem coloquial seja em poemas, romances, na televisão ou como vocativo.

O amor liberta, rasga fronteiras e permite que a nossa força venha ao de cima e é o fator maior de ligação entre os seres humanos. Mas… o que é o amor? Ou, posto de outra forma, retirando o artigo definido, o que é amor? O que é amar?

Infelizmente, o sentido do amor mistura-se amiúde com o sentido de posse, num regresso à insegurança e à omnipotência narcísica da infância. “É meu!”, com o subliminar “e, portanto, não será de mais ninguém!”.

Todavia, e que fique claro, o sentimento de posse, legítimo e saudável quando exercido dentro de baias lógicas e legais, refere-se a bens e territórios e não pode nunca aplicar-se, stricto sensu, ao amor.

Para melhor compreensão da necessidade de amar e ser amado, e do que é verdadeiramente o amor, tantas vezes confundido com outros sentimentos, intenções ou desígnios, convém introduzir uma palavra pouco usada na linguagem corrente: oblativo, que significa “que nada tem a cobrar, que nada pede em troca, que apenas é”. Ser oblativo é uma das características do amor ou, dito por outras palavras, não há verdadeiro amor sem este epíteto. Não quer isto dizer – calma, eventuais apressados em tirar conclusões – que amar implique aceitar tudo, perdoar tudo e apagar–se perante o outro. Pelo contrário. Amar é, antes de mais, exigir, ser rigoroso, ser intransigente em termos relacionais, mais do que porventura se seria quando comparando com o que acontece noutras relações, como a de amizade, de colegas ou a negocial.

Amar é ser verdadeiro, ser real, ser até duro e enfrentar as consequências do que se diz, mas dizê-lo com meiguice, com calma, sem aproveitar os erros dos outros para os amesquinhar, empobrecer, atacar ou sobressairmos nós, como tantas vezes vemos fazer ou fazemos, usando as velhas frases: “Eu bem te avisei!”, “Eu já sabia que ia dar nisso!”, “És sempre a mesma coisa!”, “Claro que não se podia esperar outra coisa de ti!”, “Estava-se a ver…», “Isso já eu tinha dito há muito tempo!”.

Amar é, numa definição-limite, não se precisar do outro para nada… e por isso é que se quer o outro, e se conjuga o verbo querer na expressão “querido”. Meu querido. Minha querida. O que significa “quero-te!” para lá das conveniências do dia-a-dia. Sem cobrar, sem ser moeda de troca para nada. Oblativo.

Claro que amar é difícil, complicado, ardiloso… Extenuante. Mas… não será verdade que as coisas mais desafiantes e complexas têm sempre duas faces muito vincadas? Amar é, também, ter de fazer opções, e é por isso que, na presença de várias escolhas, as coisas se tornam, por vezes, muito complicadas.

Amar é oblativo. Não há amor sem dádiva, sem entrega, mas também sem responsabilidade e sem rigor, sem autonomia e sem deveres e direitos. Não há amor – como não há nada na vida – sem o que costumo referir como os “quatro tês” – talento, trabalho, tempo e técnica –, bem como cobrando, vigiando, impondo ou até encarando o amor como um negócio. Amar é amar. Ponto. E até educar é um ato de amor, assim como amar é um ato de educar, uma oportunidade de ensinar e de aprender.

Mesmo que julguemos muitas vezes sermos menos amados do que desejaríamos – sentimento que creio universal –, ama-se quando não se precisa dos outros para nada, ou seja, quando amamos apenas “porque sim”. Se o “porque sim” não é resposta, como nos dizem os psicólogos e pedagogos, neste caso – e excecionalmente – é-o. Mas a simplicidade da resposta não exclui – atenção! – uma série de constrangimentos e valores, de práticas e de métodos. Amar é aperfeiçoarmo-nos mutuamente. Com lógica, com pautas e regras, com sentido e objetivos, com a ideia do que queremos atingir em termos da pessoa e do cidadão que estamos a ajudar a construir e de nós próprios enquanto pessoas em construção também – porque o amor é mais do que um e um aniquilando-se, mas um e um mantendo-se, na construção de um terceiro, o “nós”.

PS: Não é um texto meu, mas tem palavras e um sentido que tu sabes que quero na nossa relação. Amo-te com a mesma liberdade e independência que sempre tivemos... E, como te disse ontem, antes de amar-te, tenho um grande respeito e um grande orgulho na mulher e profissional que és.

LOVE YOU E SOU FELIZ CONTIGO. ÉS VIDA EM MIM

amar-e-sentir.jpg

 

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub